quarta-feira, 22 de abril de 2009

Amamentação



Ontem na minha aula de PPP, (teorica) o tema foi a amamentação materna. Tenho a dizer que adorei o tema, assim como, a aula. Eu já tinha a ideia de amamentar e ainda fiquei com mais vontade agora.


Amamentação materna, a melhor forma de alimentar o seu bebé
Para o bebé, não há melhor leite do que o da sua mamã. Além disso, o estreito contacto físico que se estabelece durante a amamentação reforça o vínculo afectivo e beneficia emocionalmente ambos.

Desde o primeiro momento de vida, para o bebé não há melhor alimento do que o leite materno. Não existe nenhum outro que possa reproduzir as suas propriedades, dado que tem a correcta proporção de todos os nutrientes que o pequenino necessita em cada etapa. Com efeito, graças à sábia natureza, a composição do leite materno vai-se modificando à medida que passam os meses, para adaptar-se às necessidades da criança nas diferentes fases de crescimento.

Além disso, o corpo da mãe é capaz de equilibrar os requisitos de calorias, proteínas, gorduras e outros importantes nutrientes, aportando em cada toma a proporção exacta que o seu bebé necessita. A recomendação é que a amamentação materna exclusiva (ou seja, somente peito) seja a única maneira de alimentar o bebé até aos seis meses de vida, momento em que começa a comer os primeiros semi-sólidos. No entanto, o ideal seria estendê-la até aos dezoito meses.

Vantagens da amamentação materna

Além de satisfazer todas as necessidades nutricionais do bebé, o leite materno é o único alimento que lhe dá protecção imunitária (é muito conhecido o seu efeito protector sobre uma ampla gama de doenças), o que se traduz num menor número de consultas ao pediatra, menor gasto em medicamentos e menor absentismo laboral por parte dos pais devido às doenças dos seus filhos. E, como é evidente, é grátis, enquanto que os leites de fórmula, podem ter um preço relativamente elevado.

A amamentação reporta também benefícios para a mamã: favorece e fortalece o vínculo mãe-filho; acelera a recuperação pós-parto; ajuda a que o útero se contraia, diminui a hemorragia; e protege contra o cancro uterino. E na hora de pensar no aspecto prático, não tem concorrência: está disponível a todo o momento, sempre à temperatura ideal (não tem que o aquecer nem arrefecer) e não é necessário esterilizá-lo.

Como se produz o leite

O leite materno "fabrica-se" nos alvéolos, células produtoras que se localizam nos peitos. Quando o bebé suga, estimula as terminações nervosas do mamilo e da auréola, que enviam uma mensagem à hipófise, glândula encarregada de libertar duas hormonas: a prolactina e a ocitocina. A prolactina é a hormona produtora, ou seja, a que envia a ordem aos alvéolos para que produzam o leite. A ocitocina, ao contrário, é a encarregada de dar a ordem à glândula para que liberte o leite quando o bebé pressiona o peito com a sua boca. Se a frequência e a qualidade das tomas são as adequadas, a mamã produzirá a quantidade. necessária de leite para o seu bebé.

Como se prepara o corpo da mulher

Durante a gravidez, o corpo da mulher sofre numerosas alterações, muitas delas mais do que notórias, enquanto que outras passam despercebidas, embora não sejam por isso menos importantes. Estas modificações, que se produzem pela interacção de diversas hormonas presentes no organismo, também afectam os peitos: entre a quinta e a oitava semana da gravidez as mulheres notam um franco aumento do volume mamário, a tal ponto que em alguns casos pode ser o primeiro indício que faz suspeitar a gravidez, ainda antes da confirmação clínica.

Este crescimento deve-se ao facto das glândulas produtoras de leite aumentarem o seu volume. Assim, os mamilos e as auréolas podem estar mais sensíveis ao tacto do que é habitual, e também é provável que estejam mais escuros (pela acção da progesterona). A verdade é que ao longo dos nove meses, as glândulas mamárias vão-se preparando para cumprir a sua função principal: segregar o leite para alimentar a nova vida que se está a gerar.

A amamentação aprende-se

A amamentação requer uma aprendizagem, tanto por parte da mamã como do bebé. Algumas mulheres podem iniciá-la desde o princípio sem dificuldades, enquanto que a outras lhes custa um pouco mais. O importante é não se dar por vencida e continuar a tentar: o esforço vale a pena.

Como e quando iniciar a amamentação

Dar o peito ao bebé dentro da primeira hora de vida (se é possível, mesmo na sala de partos) estimula a produção de leite. Nesse momento o bebé já se encontra alerta para responder ao seu instinto natural. Se o parto foi muito difícil ou se se administrou anestesia, é provável que o bebé, tal como a mamã, esteja cansado ou sonolento. Nesse caso, não se preocupe se não se prende ao peito imediatamente: o melhor é deixá-lo descansar e voltar a tentá-lo mais tarde. Para conseguir que o recém-nascido se prenda ao peito, pode-se estimular o "reflexo de busca": roçando suavemente os seus lábios com o mamilo, a criança orienta a boca em direcção ao peito materno. Alguns lambem o mamilo várias vezes antes de prender-se. Quando o bebé abre a boca, leve-lha rapidamente até ao seu peito.

O que é o colostro?

Nos primeiros dias de vida, o bebé alimenta-se com colostro, a primeira variedade de leite que produz o peito materno. O colostro providencia ao bebé os anticorpos para o proteger de muitas doenças. Além disso, é extremamente nutritivo: contém todas as vitaminas, minerais e calorias que o bebé necessita, e estimula a primeira deposição (mecónio). É muito raro que os bebés alimentados a peito se constipem. E mais: podem realizar desde uma deposição diária até uma depois de cada toma. Os bebés alimentados com leites de fórmula, podem ter uma frequência menor de deposições, e além disso são muito duras e consistentes.

Quando se produz a baixa do leite

Quanto maior é a frequência com que se amamenta o bebé, mais rápido se produz a baixa do leite maduro, que ocorre aproximadamente ao terceiro dia após o nascimento. A mamã pode aperceber-se quando isto acontece, dado que os peitos começam a notar-se tensos, inchados, com uma sensação de peso e inclusive avermelhados. Para estimulá-los, é recomendável praticar massagens circulares, preferencialmente com calor (pode-se aproveitar o momento do duche ou aplicar compressas mornas).

Frequência das tomas

O bebé não sabe nada de horários e alimenta-se entre oito e doze vezes ao dia. A tendência actual é alimentar o bebé "a pedido", ou seja, sem horários preestabelecidos, cada vez que manifeste ter fome. Durante o primeiro mês, é importante que a mamã tenha a liberdade de amamentar sempre que seja necessário. Depois, quando ambos aprenderam como fazê-lo, a frequência média é de aproximadamente a cada três horas.

Tempo de cada toma

É aconselhável que o bebé mame entre 10 e 15 minutos de cada peito (não mais de 30 minutos no total). Em cada toma, o bebé deve alimentar-se de ambos os peitos, e alternar a ordem na próxima toma (ou seja, devemos recordar qual foi o último peito que lhe oferecemos, para começar com esse na próxima toma). Devido ao facto de ter menos fome, é normal que o bebé sugue menos tempo do segundo peito, de modo que não chega a esvaziar completamente a glândula mamária. Depois de uma toma completa de ambos os peitos, podemos estar seguros de que terá extraído aproximadamente 80 por cento do leite.

Posicionamento para uma correcta amamentação

É indispensável que a mãe se sinta cómoda e relaxada. Para evitar contraturas musculares, convém sentar-se num cadeirão ou numa cadeira que mantenha a coluna direita. Às vezes pode ser útil colocar almofadas nas costas e no colo, para elevar o bebé e aproximá-lo do peito. Existem diferentes posições para amamentar, de maneira que cada mamã e o seu bebé podem escolher a que mais gostam. No entanto, é recomendável alternar as posturas, para permitir o esvaziamento dos diferentes sectores da mama. É fundamental assegurar que a boca do bebé se encontra na posição correcta em relação ao peito materno: deve abarcar não só o mamilo mas também a auréola. Assim, poderá exercer pressão com as gengivas e usar a língua para extrair o leite do peito.

Conselhos práticos

Durante o último trimestre, convém não utilizar sabão para lavar os peitos. Os mamilos encontram-se rodeados de glândulas que segregam substâncias que os mantêm limpos e lubrificados.
Para os mamilos mais sensíveis, torna-se muito benéfico apanhar Sol directamente sobre os peitos, mas sempre com a devida protecção solar e evitando as horas do meio-dia.
Recomenda-se usar um bom soutien, tanto para apoiar os peitos (não esqueçamos que o seu tamanho aumentou) como para evitar o roçar dos mamilos com a roupa.
O soutien deve suster, mas sem apertar.
Posições para Amamentar

Sentada: é a mais comum. A mamã encontra-se sentada, com as costas bem apoiadas num encosto de um cadeirão, cadeira ou cama, e o bebé coloca-se "barriga contra barriga" da sua mamã.

Recostada ou em “bola de rugby”: permite esvaziar o quadrante inferior da mamã. O bebé coloca-se com a cabeça em frente à mama, o corpo fica debaixo do braço da sua mamã, e as pernas para trás.

Deitada: a mamã e o bebé ficam deitados de lado e frente a frente na cama. Esta posição é ideal durante os primeiros dias de vida assim como para as tomas nocturnas, dado que permite amamentar sem ter que se levantar.

Digam lá, vocês pretendem amamentar? Eu sim!!!!

9 comentários:

andie disse...

E agora lembrei-me que esta noite sonhei que estava a tirar o leite com a bomba eléctrica só para a experimentar, ainda antes dela nascer...lolol!
Como passei o dia a arranjar e a lavar as coisas de amamentação, bombas, esterilizadroes e afins, para lhes dar um canto nos armários da cozinha, fui sonhar com isso...não ando nada ansiosa,naãã...;P

Liana disse...

SIM!!!

Beijo

Roxa disse...

Eu espero amamentar, claro. Mas tenho alguns receios. Sem que nem sempre fácil. Espero conseguir.

carmo pinto disse...

eu quero AMAMENTAR!
eu já passei pelas duas situações amamentei a mais nova :) e nao amamentei a mais velha :(
resultados?:muitas diferenças kuando se amamenta sabe se ke o nosso leitinho está sempre prontinho,nunca azeda,nem está muito frio nem muito quente so presisamos de levar as maminhas conosco bem protegidas e limpinhas e o afecto ke o nosso bebe tem por nos é bem diferente ...maminha somos só nós ke lha damos...e esses momentos são unicos e serenos onde eles no meio dakele silencio interrompido só com olhares e gestos lá se vai ouvindo um glum,glum...é maravilhoso!que saudades!
espero "mata las" brevemente...
jito
carmo

Adriana disse...

Cheguei aqui por acaso e adorei o blog. Acho que vou voltar!!
Bj ;)

Anokax disse...

Olha adorei o post :)
Li coisas que nao tinha noçao!
Brigada!
Quero muito amamentar...a ver vamos se a miuda me faz a vontade
BEijocas

Lipa disse...

Ás vezes de inicio pode parecer dificil, porque há dores e tal. Mas digo, por experiencia propria que é maravilhoso e proporciona-nos momentos inesqueciveis. Muitos beijitos!

Cati disse...

Pretendo sim!!! Espero conseguir, mesmo tendo uns biquitos pequeninos e sensíveis... acho que vou adorar dar de mamar, pelo menos já adoro a ideia!

Beijoca*

disse...

ola mama!acredita que quando sei que uma mama quer amamentar o seu bebe fico muito feliz com isso,pois porque acho que é o melhor que se pode dar como alimento e tudo mais.apenas vou contrariar uma frase no teu post pois se é verdade que devemos oferecer os dois peitos em cada mamada,nunca devemos por horario ou seja nada de dizer que mama dez ou quinze minutos numa e depois a outra,o que devemos fazer é dar um peito e deixar que o bebe beba quanto quer e depois por lo a arrotar e oferecer o segundo peito.assim sim!espero nao te estar a ofender porque estou a contrariar mas ssobre este assunto estou muito informada,alem de livros e da net tambem tive reuniao com uma especialista e por isso me permito dizer te tal.beijocas grandes e sobretudo se tiveres algumas dvidas nao hesites em perguntar me porque posso te ajudar.bjs